Polícia Civil e UFPI investigam comentário que defendia morte de cachorro por espancamento

A Polícia Civil e a Universidade Federal do Piauí estão apurando a autoria de um comentário, atribuído a uma aluna da instituição, com posicionamento a favor da morte do cachorro conhecido como Manchinha, em Osasco, na Grande São Paulo, na última sexta-feira (30). A jovem apontada como autora registrou Boletim de Ocorrência e disse que teve seu perfil na rede social Instagram invadido.

O comentário foi feito pelo perfil da jovem no Instagram, que afirmou por meio das redes sociais que a conta foi invadida e que ela não foi a autora. O G1 tentou, mas não conseguiu contato com a aluna.

O post dizia o seguinte: “E daí, gente? O cachorro tava lá fedendo, enchendo o saco. Tinha que matar mesmo, inclusive tinha que matar todos os de rua. Não servem para nada e não fariam falta nenhuma. Animais de rua são uma cruz que a gente tem que carregar”.

Depois da repercussão do caso, já que até mesmo a atriz Tatá Werneck divulgou a publicação, a jovem afirmou que está sofrendo perseguição e que não fez o comentário.

“Eu sei que tem muita gente que não está acreditando em mim. Mas as pessoas que convivem comigo têm o conhecimento de que eu jamais compactuaria com tamanha barbárie”. Publicou a jovem pelo Facebook.

Facebook

Quer mais histórias? Click »