Mulher muçulmana desafia bullies ao cuidar de animais de rua “impuros”

Quem gosta de ajudar animais sabe que pode ouvir comentários maldosos.

Desy Marlina Amin é uma dessas pessoas. Há 15 anos que ela alimenta e resgata animais de rua na Indonésia, mas tem tido muita gente que se opõe ao seu nobre gesto. Ela é muçulmana, e diz que foi com Deus que se inspirou para cuidar e respeitar todas as criaturas.

 Facebook - Desy Marlina Amin
Facebook – Desy Marlina Amin

Esta mulher já tem mais de 14.000 seguidores no Facebook, que a encorajam e elogiam pelo seu trabalho solidário. Mas existe gente cruel que a tenta desanimar, não só pessoalmente, como no mundo virtual. “Eu recebo muitas ameaças na minha caixa de correio”. “As pessoas dizem que me querem matar, mas eu não me importo. Algumas me insultam porque eu ajudo estes animais”, diz Desy.

 Facebook - Desy Marlina Amin
Facebook – Desy Marlina Amin

Existem interpretações do Islamismo que consideram os cães impuros, e dizem que as pessoas os devem evitar. As críticas que recebe são por causa disso, por estar a ‘ofender’ a Deus.

 Facebook - Desy Marlina Amin
Facebook – Desy Marlina Amin

Segundo Desy, ela não está a renegar a sua religião, e sim a cumpri-la, ao ajudar aqueles que mais precisam. Todos os dias, ela prepara comida saudável para os gatos e cães de rua, antes de ir trabalhar. Ela é uma motorista de táxi, e é com o dinheiro do emprego que ela alimenta os animais.

 Facebook - Desy Marlina Amin
Facebook – Desy Marlina Amin

“Sei que Deus olha para mim. Sei que Deus me ouve. Ele conhece-me. Ele sorri ao ver-me  alimentar os animais que ele criou “. “Eu cuido do que ele criou. Ele criou este mundo não apenas para os seres humanos, mas para todas as criaturas. “

 Facebook - Desy Marlina Amin
Facebook – Desy Marlina Amin

Atualmente, ela tem mais de 60 cães e gatos ao seu cuidado e diz “Esta é a minha felicidade, ver que os animais podem comer”. “Eu acredito que os cães e gatos rezam por mim”.

Partilha se achas que deviam haver mais pessoas assim!

Facebook

Quer mais histórias? Click »