Revelada a maneira como o treinador de futebol sobreviveu junto com as 12 crianças presas na gruta

Ekapol Chanthawong é o nome do treinador de futebol que ficou preso na caverna de Tham Luang, na Tailândia, com 12 crianças da sua equipa juvenil. O grupo estava preso desde o dia 23 de junho, e o jovem de 25 anos desempenhou um papel muito importante em manter os futebolistas vivos.

Treinador ensina equipa juvenil a meditar

De acordo com um dos soldados que trabalhou na operação de resgate, ele compartilhou a sua comida e água com as crianças. Para além disso, durante as duas semanas de cativeiro, Ekapol ensinou-os a meditar para que permanecessem calmos. Desta forma, eles conseguiram conservar a energia necessária para sobreviver em condições tão adversas.

Te Importa

No dia 2 de julho, eles foram localizados na gruta. Desde então, centenas de pessoas participaram no plano de resgate. Quando finalmente saíram daquele local, nesta terça-feira, Ekapol era um dos mais fracos. Isso porque ele compartilhava sempre a sua comida e água com as crianças!

Te Importa

O treinador de futebol é conhecido por ter perdido os seus pais e o irmão de 7 anos quando ele tinha apenas 10 anos. Ele passou por muitas adversidades na vida até começar a treinar o time de futebol Moo Pa em 2015. E, antes de começar a ser treinador de futebol, ele teve 10 anos num mosteiro, o que ajudou naquela altura de estresse e nervosismo.

Algumas pessoas nas redes sociais culpam Ekapong por ter levado as crianças à caverna. No entanto, os parentes e amigos dos pequenos jogadores afirmam que, graças ao seu comportamento enquanto estavam presos, as crianças conseguiram sobreviver.

Te Importa

“Se Ekapol não estivesse com eles, o que teria acontecido com meu filho?”, disse a mãe de uma das crianças presas na caverna. Um amigo de Ekapol, Alegria Khampai, disse que o treinador adora crianças “mais do que a si mesmo”. Ele acredita que o homem está a “sentir-se culpado” pelo que aconteceu, apesar de não poder adivinhar que a gruta ficaria inundada. Muitos jogadores da equipe vêm de famílias pobres e minorias étnicas. Tudo o que ele queria era dar um momento de lazer aos meninos.

Te Importa
Pais agradecem atitude do treinador de futebol

Os pais das 12 crianças agradeceram ao treinador por cuidar deles, e pediram que ele não se sentisse culpado. Umporn Sriwichai, uma tia de Ekapol, disse que os 10 anos que viveu no mosteiro melhoraram a sua saúde física e mental. “Eles ensinaram habilidades de sobrevivência que certamente ajudaram as crianças a sobreviverem na caverna.”

Te Importa

Membros da Marinha da Tailândia publicaram a carta que o treinador escreveu enquanto estava na caverna. Isto é o que ele disse:

Te Importa

“Eu quero dizer aos pais que as crianças estão muito bem. As pessoas estão cuidando muito bem deles e prometo que cuidarei deles da melhor maneira possível. Obrigado a todos pela ajuda. E sinto muito.”

Te Importa

O pai de uma das crianças respondeu: “Obrigado por cuidar dos nossos filhos. Treinador, você está aí com eles. Saia com eles, são e salvo. Não se culpe.”

É maravilhoso saber que os pais compreenderam a vontade do treinador em manter as crianças seguras naquela situação extremamente perigosa. Compartilhe se acha que o treinador não é o culpado do que aconteceu!

Fonte: Te Importa

Facebook

Quer mais histórias? Click »