Os romanos valorizavam tanto sua urina que até tinham um imposto, nós explicamos por quê

Hoje em dia, nós estamos cercados por metáforas e frases que pouco ou nada têm a ver com o seu significado literal. Muitas destas frases são exclusivas de uma determinada cultura. Outras são adaptações feitas de uns países para outros.

Mas existem algumas que são tão universais, que toda a gente em torno do mundo as compreende. A frase em latim “pecunia non olet”, que significa o dinheiro não tem cheiro, é um exemplo disso. Mas você sabe de onde veio essa expressão?

Na Roma antiga as latrinas públicas estavam muito na moda. Qualquer um poderia fazer uso delas. As pessoas só tinham que pagar uma pequena quantia para a sua limpeza e manutenção. A urina e as fezes iam parar a um sistema de esgoto público.

Facebook – Arque História
A urina e as suas múltiplas utilidades

A urina era reutilizada para atividades industriais. O uso mais comum era para lavar tecidos, lã e couro. Em alguns casos também era utilizada como elixir bucal. A coleta de urina em latrinas públicas era uma atividade que começou entre os pobres e as classes mais baixas. Eles revendiam este líquido para fazer pomadas e detergentes, e obter assim dinheiro livre de impostos.

Facebook – Arque História

Mas isso foi até imperador Vespasiano, que era um visionário, decidir ganhar dinheiro com isso. Desde o primeiro século, o imperador decidiu impor um imposto sobre a urina derramada diariamente na rede pública de esgoto. Todas as empresas que precisavam deste líquido para criar seus produtos deveriam pagar essa taxa se queriam continuar a utilizar urina.

De acordo com algumas crônicas da época, Tito, filho de Vespasiano, repreendeu seu pai por ganhar dinheiro à custa dos resíduos das pessoas. Este se aproximou de Tito com uma moeda de ouro, ele colocou-a perto do seu nariz perguntando se o seu cheiro lhe incomodava. Tito disse que não, e seu pai respondeu: “no entanto, ele vem da urina”.

Facebook – Arque História

Desde então, a frase Pecunia non olet é usada com tom cínico para enfatizar que a origem do dinheiro não importa, pois ele vale o mesmo seja ela qual for.

Você já conhecia esta história?

Facebook

Quer mais histórias? Click »