Jovem de 22 anos é a primeira deficiente a aparecer na Sports Illustrated

Apesar de ainda existir muito preconceito contra as diferenças na mídia, a verdade é que existe cada vez mais diversidade. Recentemente, uma jovem de 22 anos fez história por se tornar a primeira deficiente a aparecer na capa da revista Sports Illustrated. Brenna Huckaby é uma snowboarder americana que não deixa que a sua incapacidade seja um obstáculo na vida… antes pelo contrário!

Sports Illustrated

Brenna posou para uma sessão de fotos da Sports Illustrated e mostrou ter muita auto-estima. Como vai ver nas fotografias abaixo, a jovem é deslumbrante!

Sports Illustrated

A maioria das pessoas ficaria com pouca confiança por ser diferente… mas a atleta não.

Sports Illustrated

Para além dos seus feitos no snowboard, Brenna ficou conhecida por ser a primeira pessoa com deficiência a posar para a conhecida revista de esportes.

Sports Illustrated
Luta contra o câncer

A jovem perdeu uma perna devido ao câncer, mas ela nunca se deixou abater.

Sports Illustrated

Nascida em Baton Rouge, Louisiana, Brenna amava a ginástica. Mas, devido à amputação da perna, seu destino tomou outro rumo, o snowboard.

Sports Illustrated

Agora, as suas fotografias na Sports Illustrated estão dando ânimo a todas as mulheres com deficiências pelo mundo inteiro.

Sports Illustrated
Exemplo a seguir

“Em geral, não nos consideramos mulheres sensuais”, disse Brenna Huckaby.

Sports Illustrated

“Eu queria mostrar que isto era possível. Minha motivação era mostrar ao mundo como estou orgulhosa e confiante. Quando tive câncer e perdi a perna, não tinha ninguém para admirar. Eu queria mudar isso e me tornar um exemplo para jovens na mesma situação”.

Sports Illustrated

Brenna acredita que todos somos sensuais à nossa maneira, e que a base para essa sensualidade é a auto-estima. A jovem também é a mãe de uma menina de 20 meses, Lilah, que a fez ver a vida de uma forma diferente.

Instagram

“Ao ter a minha filha percebi que o meu corpo era mais que um objeto. Foi então que eu soube que o meu corpo era uma ferramenta, uma ferramenta forte e poderosa que me poderia fazer viver experiências. Quando percebi isso, finalmente amei o meu corpo”, diz a atleta.

Instagram

Compartilhe se acha que ela é absolutamente perfeita, assim como todas as outras mulheres guerreiras que têm sequelas da sua heróica luta contra o câncer!

Fonte: Vamos Lá Portugal

Facebook

Quer mais histórias? Click »