Dona avisou para não acariciar o cão e não obedeceram. O que acontece depois é de cair o queixo!

As doenças crônicas podem condicionar muito a vida de uma pessoa. De modo a auxiliar alguns doentes, começaram a treinar cachorros para que eles pudessem acompanhar o dia a dia dessas pessoas e intervir caso seja necessário.

Com certeza você já viu um cachorro guia, auxiliando uma pessoa invisual. Porém estes fieis amigos de quatro patas são grandes ajudas para pessoas com as mais diversas condições de saúde. Fazer festas ou brincar com estes animais é negligencia da nossa parte, eles estão em trabalho!

Flynn é um cachorrinho que faz tudo para ajudar sua dona de apenas dezassete anos, Hailey Ashmore que sofre de epilepsia, alergias graves, hipoglicemia reativa e vários outros problemas. As funções do animal passam por abrir e fechar portas, chamar seus pais e o mais importante de tudo, alertar a jovem para convulsões próximas.

Hailey Ashmore
Hailey Ashmore

Essa dupla está junta desde Novembro de 2014, quando o pastor australiano começou seus treinamentos com ela, para desempenhar seu papel de alerta médico. Quando o peludinho tinha apenas sete meses de idade, um estranho acidentalmente colocou Hailey em perigo quando parou o animal para lhe fazer festas. O que se passou a seguir é o exemplo de porque nós não devemos brincar nem acariciar um cachorro de serviço!

A menina estava visitando seu pai no trabalho quando alguém começou a acariciar Flynn, ignorantemente, como se ele fosse um filhote de cachorro normal. “Eu imediatamente disse para ele parar”, relata Hailey. Em apenas um momento de distração, o animal perdeu a oportunidade crucial de avisar Hailey sobre uma convulsão próxima. Quando ele a avisou já era tarde de mais.

“Eu pensei que tinha 10 minutos para ficar segura, tomar a medicação e chamar alguém para ajudar”, disse Hailey. “Infelizmente, eu não tive tempo e acabei ficando com uma queimadura de tapete desagradável.”

Hailey Ashmore
Hailey Ashmore

“Desde esse episódio quando Flynn tinha apenas sete meses, ele ainda está aprendendo a ignorar as pessoas acariciando ele”, explicou a jovem. “Nós entendemos que nossos cachorrinhos são super fofos, mas eles realmente são importantes para a nossa segurança e saúde!”

“Torna-se quase uma extensão dessa pessoa, assim como a cadeira de rodas de alguém … além do mais, o cachorro é parte de quem você é. Tocar pode distrair o animal do que ele precisa fazer.”

Hailey Ashmore
Hailey Ashmore

A CCI é uma organização sem fins lucrativos que treina patudos como cachorros de assistência, incluindo cachorros companheiros e de serviço, quem depois os combina com as pessoas com deficiência. A CCI não treina peludos alerta médico como Flynn.

Reiss explicou que esses animais são treinados para estar “off” ou “desligados” em poucos segundos para as brincadeiras e intervenções inadvertidas de estranhos que tentam brincar com eles. “Eles são uma peça de equipamento” disse o homem.

Seres vivos como esse precisam de sua atenção a 100%! Eles estão auxiliando alguém a nível de saúde e a cima de tudo estão trabalhando. Hailey resume o sentimento de todos os donos de cachorros desse gênero: “Se você não faria isso com uma cadeira de rodas, por favor, não faça isso com nossos cães”.

Depois de explicado, fazer uma festinha em um cachorro de assistência, serviço ou companheiros parece quase crime, não concorda? Devemos ter mais atenção a este tipo de ações despretensiosas da nossa parte mas que podem gerar algo com repercussões muito graves para os donos já fragilizados por sua condição crônica.

Compartilhe com seus amigos e familiares para que todos nós estejamos informados!

Facebook

Quer mais histórias? Click »