Pai comove o mundo ao mostrar o filho se despedindo da irmã com câncer terminal

Nunca é fácil dizermos adeus a alguém que amamos. No entanto, é ainda mais complicado aceitar a morte se esse alguém for uma criança. A filha de 4 anos de Matt Sooter, chamada Adalynn, tinha câncer terminal e iria morrer em breve. A família ficou devastada, mas principalmente o irmão Jackson, que iria perder a sua companheira. Quando a menina já estava hospitalizada, o norte-americano captou o filho se despedindo da irmã. Agora, a imagem está dando a volta ao mundo.

Menino diz adeus à irmã

“Um menino não devia ter de dizer adeus à sua cúmplice, à sua companheira das brincadeiras, à sua melhor amiga, à sua mana. Não é assim que devia ser, mas este é o mundo em que vivemos”, disse o pai na publicação de Facebook, acrescentando a filha estava piorando a cada dia. “Ela já não consegue comer ou engolir sem dificuldades, e dorme a maior parte do dia. Provavelmente não lhe resta muito tempo”.

Café Mom

Pouco depois de ter postado a imagem comovente, Matt voltou ao Facebook, desta vez para anunciar que a filha já não estava neste mundo. “Por volta da 1h da manhã, a nossa menina recebeu a cura milagrosa pela qual rezamos por tanto tempo, e correu para os braços de Jesus”, disse o pai. “Ela passou desta vida para a próxima da forma como viveu: teimosamente, mas também pacificamente e rodeada pela família. Tudo isso aconteceu mais rápido do que esperávamos, mas é uma bênção porque ela sofreu pouco no final”.

Tumor inoperável

A pequena Adalynn foi diagnosticada com um câncer no tronco cerebral em novembro de 2016. Infelizmente, o tumor era inoperável. Os pais começaram a notar que a menina tinha problemas em andar, e decidiram ir ao médico… foi assim que descobriram a terrível doença. “Assim que os médicos descobriram que era um câncer no tronco cerebral, eles basicamente disseram: ‘aproveitem o seu tempo, porque ela vai morrer'”, contou a avó de Adalynn, Ann Sooter.

Café Mom

O tratamento inicial que a garota fez deu resultado. A radioterapia eliminou as células cancerígenas, mas o tumor voltou novamente pouco tempo depois. Desesperados, os pais decidiram ir até Monterey, no México, para submeterem a filha a um tratamento experimental. No entanto, o câncer era demasiado agressivo, e continuou se espalhar até tirar a vida à criança.

Este tipo de tumor agressivo é raro, e afeta maioritariamente crianças entre os 5 e 9 anos de idade. Com o passar do tempo, ele afeta o coração, a visão, a respiração, a capacidade de engolir e o equilíbrio.

Vamos compartilhar para desejar força à família de Adalynn, e a todos os que estão passando por perdas semelhantes!

Fonte: Tá Bonito

Facebook

Quer mais histórias? Click »