Pai obriga filho a correr até à escola por ter feito bullying aos seus colegas

O bullying nas escolas é algo tem vindo a crescer cada vez mais. Apesar dos professores, funcionários e diretores tentarem de tudo para eliminá-lo, a verdade é a intimidação continua acontecendo. Mas a educação não vem apenas das escolas, e sim de casa. Os pais precisam ensinar às crianças e jovens que é errado ferir os sentimentos dos colegas, ou de qualquer outra pessoa. Bryan Thornhill decidiu mostrar isso para o filho de uma forma original: o pai obrigou o garoto a correr até à escola.

O filho de 10 anos de Bryan estava fazendo bullying com outros meninos no autocarro escolar, e foi proibido de andar nele durante 3 dias. Durante esses dias, para o castigar, o pai resolveu fazer algo que está dividindo a internet: ele obrigou o garoto a ir a pé até à escola, enquanto o seguia de carro. O percurso é de mais ou menos 1 quilómetro, mas a criança tinha de ir correndo, fizesse chuva ou sol.

Rumble

Para além disso, Bryan Thornhill decidiu fazer um direto numa das idas até à escola. “Olá a todos, sejam bem-vindos ao ‘É melhor você dar ouvidos ao seu pai 2018′”, diz o homem no início do clipe. Nas imagens, podemos ver o menino correndo à chuva, enquanto o pai o acompanha com o seu automóvel. Durante o vídeo, o homem revela que tem 2 filhos e que deu este castigo porque “não tolera o bullying”.

Rumble

Algumas pessoas ficaram muito revoltadas, dizendo que o que o pai fez ao filho é crime. No entanto, a maioria dos internautas aplaudiu o gesto de Bryan. Segundo eles, a intimidação iria melhorar muito se mais pais tivessem mão firme como ele.

Opiniões à parte, a verdade é que o castigo deu resultados. De acordo as professoras do menino de 10 anos, ele está completamente diferente. Elas até elogiaram o seu bom comportamento. Assista ao momento em que a criança vai até à escola correndo abaixo:

O que achou do castigo do pai: foi muito severo, ou ideal? Compartilhe a sua opinião connosco nos comentários!

Fonte: Tá Bonito

Facebook

Quer mais histórias? Click »